A disputa pelo melhor petisco

Panela velha é que faz comida boa

Ainda dá tempo de aproveitar a 19ª edição do concurso Comida di Buteco. Em Pernambuco, a marca que aportou por aqui em 2015, conta este ano com 26 botecos participantes, no Recife, Olinda e Jaboatão do Guararapes, e segue até 06/05.  No Brasil, ao todo, são 21 cidades e mais de 600 botecos com diversos petiscos ao valor máximo de R$ 25,90. O tema foi livre e cada bar escolheu os ingredientes para criar sua receita. Este ano, aqui no Recife, o evento tem como patrocinadores a Cerveja Amstel, Dona Benta, Getnet e Mastercard, Trident e McCain, com apoio do Diário de Pernambuco, Abrasel, Hotel Nacional Inn, Tabasco, Chandon, Teknisa, Reserva 51, e promoção da TV Globo Nordeste e Perdigão.

Para quem não sabe, o Comida di Buteco não é um festival, é um concurso, que foi criado em 2000, com o intuito de resgatar e valorizar a cozinha de raiz, dando visibilidade aos botecos espontâneos/tradicionais. Ele é feito em duas etapas. Na primeira cada cidade elege os seus botecos com pratos criados especialmente para a ocasião, onde o público e um corpo de jurados visita, vota e elege o campeão, avaliando quatro categorias: petisco, atendimento, higiene e temperatura da bebida. O petisco leva 70% do peso da nota e as demais categorias 10% cada uma. O voto do público vale 50% do peso total e dos jurados 50%. Na segunda etapa, que acontece no mês de junho, uma comissão vai visitar os campeões de cada cidade avaliando as mesmas categorias. E, assim, elege-se o melhor boteco, no Brasil. Este ano, a festa será em São Paulo.

Segundo a coordenadora Regional do Comida di Buteco, Ariane Pavan, a ideia da ação é levar a classe AB, 25+ anos, para conhecer esses bares que transformam vidas. E, pasmem, as pesquisas apontaram que 54% do público, em todo o Brasil, é de mulheres. Assim, o concurso mostra que veio para quebrar paradigmas.

Ariane comenta que o evento nasceu em Belo Horizonte, dentro de uma rádio, que nem existe mais. “O intuito era fazer uma disputa de comida de boteco e acabou virando empresa. Os bares que participam são familiares, onde o dono está à frente do próprio negócio. Eles se preparam, criando receitas, e depois recebem os jurados e o público. Para este ano, a expectativa é que haja um crescimento de 30% de votos em relação ao ano anterior. A gente quer que as pessoas experimentem os petiscos e votem, pois o voto é importante, é um medidor”. Destaca.

Pra quem gosta de sarapatel

Eu provei os pratos do Pra Quem Gosta, Bar do Cabo, Bar do Vizinho, Armazém 433, Armazém Centenário, com seus respectivos pratos Sarapatel de porco, Camarão na Cerveja, Porco Virado na Lata, Panela Velha é quem faz comida boa e o Boi Atolado. Estavam todos excelentes, e ficou difícil dizer qual deles era o melhor.

A anfitriã da degustação foi a Jô Lira, do bar Pra Quem Gosta, em Olinda. Ela apresentou o seu “Pra quem gosta de sarapatel”, que como o próprio nome diz, é um sarapatel de porco. “Esse petisco é uma receita de família que minha bisavó fazia quando reunia os familiares em casa. E o sarapatel era a entrada, estava sempre presente”.

Laura Batista com seu Porco Virado na Lata

Já Laura Batista, do Bar do Vizinho, no Mercado da Boa Vista, explicou que seu petisco, o “Porco Virado na Lata” é um resgate da sua infância. “Quando a gente viajava para a fazenda da minha avó, lá não tinha geladeira. Ela colocava a carne na banha de porco, numa lata, e deixava a conserva lá por até seis meses. É um prato feito com muito carinho, pois sempre levamos um pouco de carinho pro cliente. Prova disso é que todo prato que a gente faz lá no bar, colocamos uma florzinha, que já uma marca registrada nossa.”.

O porco virado na lata é conservado na banha de porco

Laura conta que a sua carne de porco não vai à geladeira. “A gente frita ela depois de ficar em conserva, curtida na banha. Depois é servida com macaxeira, torresmos e molho caseiro de tomate. Eu quis trazer a simplicidade. Meu bar tem uma clientela muito diferenciada. Temos muitos pratos mais elaborados. O que tem de diferencial são 16 tipos de caldinho. Eu sou paulista e sou louca por caldinho. Moro em Olinda e trabalho em Recife. Colho e planto as florzinhas e frutas do meu sítio. Costumo dizer que a gente não faz comida, fazemos arte”.

O chef Daniel Bastos passou por vários restaurantes e bistrôs
O chef Daniel Bastos, do bar estreante Armazém 433 diz que seu prato “Panela velha é que faz comida boa” – panelinha de filé Mignon, com texturas de queijo coalho e pães da casa, foi criada pensando nos refogados de panela, naquela graxinha que sempre fica no final e todo mundo ama”. Sua inspiração se deu a partir das experiências de vida e pelas cozinahs por onde passou. Formado em gastronomia na Faculdade Senac, ele passou por vários restaurantes e bistrôs. “Eu quis fazer a mistura de um molho clássico com queijo coalho e file mignon grelhadinho, cebola, alho. Lá no meu restaurante todo mundo que vai lá ama a comida, a decoração e a musica”.

Miúdos de Galinha guisados, acompanhados de pão, farinha de mandioca e uma dose de cachaça.

Apesar de não ter provado, pois tenho alergia, recomendo que experimentem o prato da Pettisqueria Gouveia, do Eduardo e Roberta Gouveia. Provei o prato deles o ano passado e tenho certeza que o deste ano está o pipoco, com certeza! Para esta edição, eles criaram o Sarapatel de galinha: Miúdos de Galinha guisados, acompanhados de pão, farinha de mandioca e uma dose de cachaça. A Pettisqueria ficou em terceiro lugar no concurso do ano passado.

Serviço dos bares citados: 

Pra quem gosta (estreante)/ Olinda

Endereço: Rua Ary Barroso, 111 – Monte – Olinda
Telefone: (81) 3429-9275
Funcionamento: Quarta a domingo: 11h às 17h

Bar do Vizinho (estreante)/ Recife

Endereço: Rua da Santa Cruz, s/n – Box 2 e 3 – Mercado da Boa Vista – Recife
Telefone: (81) 998-905-851
Funcionamento: Quarta a sábado: 11h às 18h
Domingo: 11h às 17h

Armazém 433 Bar (estreante) / Recife

Endereço: Rua Rio Amazonas, 433 – Loja A – Ipsep – Recife
Telefone: (81) 997-090-393
Funcionamento: Terça a quinta: 17h à 00h
Sexta e sábado: 17h à 01h

Pettisqueria Gouveia / Olinda

Endereço: Rua Francisco Ambrósio de Barros Leite, 382 – Bairro Novo – Olinda
Telefone: (81) 999-300-530
Funcionamento: Ter a qui: 12h às 22h30
Sexta e sábado: 12h à 00h
Domingo: 12h às 16h

Armazém Centenário (estreante) / Recife

Endereço: Rua Barão de Itamaracá, 10 – Espinheiro – Recife
Telefone: (81) 3033-4002
Funcionamento: Terça a quinta: 17h à 00h
Sexta e sábado: 12h à 01h
Domingo: 12h às 18h

Deixe uma resposta